Oficina teórica: O índio visto pelas artes plásticas no Brasil e América Latina, com Maraliz Christo

Rodolpho Amoêdo, O Último Tamoyo, 1883, óleo sobre tela, 180,3 x 261,3 cm. Rio de Janiero, Museu Nacional de Belas Artes.

Rodolpho Amoêdo, O Último Tamoyo, 1883, óleo sobre tela, 180,3 x 261,3 cm. Rio de Janiero, Museu Nacional de Belas Artes.

Dias 19 e 20 de agosto de 2010, das 14 às 18h
Sala Multiuso do Museu Victor Meirelles

Dia 18 de agosto assinala o nascimento de Victor Meirelles de Lima (1832-1903). Em alusão à data, o Museu Victor Meirelles organizará a Semana Victor Meirelles. A programação contemplará, exposições, oficinas e exibições de filmes.

Nos dias 19 e 20 de agosto, das 14 às 18h, ocorrerá a oficina teórica “O índio visto pelas artes plásticas no Brasil e América Latina”, com Maraliz Christo. A oficina pretende apresentar um estudo comparado entre a representação do índio no Brasil e na Americana Latina, oferecendo um rápido panorama sobre o tema. A representação do indígena no Brasil será vista a partir dos eixos: Alegorias (do século XVI ao XIX), Construção Etnográfica (Brasil Holandês, Viajantes e Exposição Antropológica de 1882), Pintura Histórica (Atos fundacionais – enfatizando-se as obras de Victor Meirelles – Indianismo, Jesuítas e Bandeirantes) e Modernismo (Art Decó, Theodoro Braga e Vicente do Rego Monteiro). A representação do indígena na América Latina será analisada a partir de alguns exemplos do México, Peru, Chile, Argentina e Uruguai. Objetiva-se ampliar as referências para o estudo da representação do índio no Brasil, extrapolando o conhecimento restrito às obras indianistas do século XIX, assim como a percepção de nossas especificidades frente à rica produção latino-americana sobre o tema.

Sobre a ministrante:
Maraliz de Castro Vieira Christo possui licenciatura em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1979), mestrado em História pela Universidade Federal Fluminense (1987) e doutorado em História pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Foi bolsista da Foundation Getty junto ao Institut National d´Histoire de l Art de Paris (2003-2004). Recebeu o Grande Prêmio Capes de Tese Florestan Fernandes em 2006 (concedido à melhor tese defendida em 2005 no conjunto das grandes áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas e Lingüística, Letras e Artes), com a tese Pintura, história e heróis: Pedro Américo, defendida em 2005 na Universidade de Campinas (UNICAMP) sob a orientação de Jorge Coli. Fez estágio pós-doutoral na Universitat Jaume I de Castelló, na Espanha, e na Escuela Nacional de Antropología e Historia-INAH, México, em 2009. Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Pré-inscrição até 12 de agosto de 2010.

A oficina é gratuita e tem como público-alvo professores, artistas, estudantes, entre outros interessados. Serão 50 vagas disponibilizadas. Interessados em participar devem encaminhar até o dia 12 de agosto de 2010 seu pedido de pré-inscrição com os dados abaixo para museu.victor.meirelles@iphan.gov.br. O resultado da seleção será divulgado por e-mail até o dia 13 de agosto.

Título da oficina:
Nome completo:
Telefone:
E-mail:
Formação:
Área de atuação profissional:
Instituição:
É membro da Associação de Amigos do Museu Victor Meirelles?
Por que tem interesse em participar desta oficina?

Pedimos aos inscritos que tiverem seu pedido de inscrição deferido e não puderem comparecer à oficina que avisem o quanto antes para que possamos disponibilizar as vagas para outros interessados.

Deixe seu comentário

COMENTÁRIO
  1. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days