A Trilogia do Desterro em Abdellatif Kechiche

faute-a-voltaire

Desterro, substantivo masculino; ato ou efeito de desterrar; desterramento; saída do domicílio habitual para outro, dentro ou fora do território nacional, por imposição penal (degredo) ou voluntariamente; por metonímia, local onde reside o desterrado; por analogia, estado ou condição de pessoa que vive isolada da sociedade; por extensão de sentido, estado de isolamento; insulamento, solidão.

Nossa Senhora do Desterro, também é o antigo nome da cidade de Florianópolis. Desterro, tema que perpassa os três filmes do cineasta tunisiano Abdellatif Kechiche e que dá nome ao ciclo A Trilogia do Desterro em Abdellatif que o projeto Cinema Falado do Museu Victor Meirelles programa para os dias 3, 4 e 5 de agosto, com o apoio da Cinemateca da Embaixada da França e da Aliança Francesa de Florianópolis.

A mostra foi pensada para ser um painel do cinema francês contemporâneo, que vem abordando os temas dos refugiados, dos imigrantes, dos territórios e dos conflitos decorrentes dos movimentos nas fronteiras nacionais. Neste sentido, os filmes programados – A Culpa é de Voltaire – La Faute à Voltaire, de 2000; O Segredo do Grão – La Graine et le Moulet, de 2007 e A Esquiva – L’Esquive, de 2003 – são um bom viés para a abordagem pretendida. Será exibido um filme por dia e após as sessões haverá uma conversa com as mediadoras e o público, como sempre acontece no Cinema Falado.

Na abertura do ciclo A Trilogia do Desterro em Abdellatif, no dia 3 de agosto, às 19h, a professora Fátima Sebastiana Lisboa fará uma palestra com o tema As Outras Fronteiras do Cinema Francês Contemporâneo. Logo após será exibido o primeiro filme, A Culpa é de Voltaire.

Nascido na Tunísia, Abdellatif Kechiche chegou a Nice, na França, com seis anos e fez seu curso de teatro no Conservatório de Antibes. Em A Culpa é de Voltaire o cineasta descreve o dia a dia de um imigrante ilegal, entre detenções e encontros amorosos, revelando não só o seu talento de observador cuidadoso, mas também o seu lado romântico e seu amor pelos atores, no caso Sami Bouajila e Aure Atika. Suas qualidades lhe rendem o Leão de Ouro de Melhor Filme de Estreia em Veneza, em 2000. Em 2003 ele dirige A Esquiva, um ensaio sobre as restrições e aberturas causadas pela linguagem, que derruba vários clichês sobre os conjuntos habitacionais. O filme é elogiado por uma crítica unânime antes de se revelar o grande ganhador do César, com quatro prêmios, dentre os quais o de melhor filme.  O diretor começa então a filmar O Segredo do Grão, que conta a luta de um velho imigrante argelino que quer abrir um restaurante em Sète e que é recebido triunfalmente no Festival de Veneza de 2007, além de receber quatro prêmios César, dentre os quais o de melhor diretor.

As sessões do ciclo A Trilogia do Desterro em Abdellatif começam sempre às 19 horas, no auditório do Museu da Escola Catarinense, na Rua Saldanha Marinho, 196, no Centro de Florianópolis. A entrada é gratuita.

a esquiva

Sobre as mediadoras:

Fátima Sebastiana Gomes Lisboa é idealizadora do evento e também uma das mediadoras. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em História pela Universidade Federal Fluminense/RJ, graduação em Arquivologia e documentação pela Universidade do Rio de Janeiro, mestrado em Études sur l’Amérique Latine-DEA-Histoire pela Université de Toulouse II Le Mirail e doutorado em Études sur l’Amérique Latine-Histoire – Université de Toulouse II Le Mirail. Recentemente, finalizou seu pós-doutorado em Arts du Spectacle – Cinema, pela Université Montpellier III CAPES-RIRRA 21. Tem experiência na área de História Contemporânea e História do Cinema, com ênfase em História Ibero-Americana.

Maria Brígida de Miranda, PhD em Teatro pela Latrobe University/Austrália, Master of Arts pela University of Exeter/Inglaterra e Graduada em Artes Cênicas pela UnB. Brígida foi professora efetiva do Instituto de Artes da Universidade de Brasília e é também diretora e atriz. Atualmente  leciona na graduação e pós-graduação do CEARTE/UDESC, coordenando o Mestrado e Doutorado em Artes Cênicas.

Marta Cesar desenvolveu carreira artística especialmente no Balé da Cidade de São Paulo até 1994. Especialista em Dança Cênica pela UDESC, vive em Florianópolis desde 2001 onde já lecionou dança contemporânea no Centro Integrado de Cultura, dirigiu a Ateliê Cia. de Dança e o Múltipla Dança – Festival Internacional de Dança Contemporânea. Atualmente é vice-presidente da APRODANÇA, suplente da representante da região sul no Colegiado Setorial de Dança (Minc/FUNARTE) e Presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Florianópolis.

————————————————————-

Cinema Falado do Museu Victor Meirelles
Ciclo A Trilogia do Desterro em Abdellatif

Filmes:

Dia 03/08 – A Culpa é de Voltaire – La Faute à Voltaire, de 2000
Dia 04/08 – A Esquiva – L’Esquive, de 2003
Dia 05/08 – O Segredo do Grão – La Graine et le Moulet, de 2007
Direção: Abdellatif Kechiche
Mediação de Fátima Sebastiana Lisboa e Brígida Miranda

Dia 3, 4 e 5 de agosto de 2011, às 19 horas
Rua Saldanha Marinho, 196 – Centro
Museu Victor Meirelles
Rua Victor Meirelles, 59
Tel. 48  3222-0692

Deixe seu comentário

COMENTÁRIO
  1. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days