Ciclo de Cinema Português

Ciclo de Cinema Português no Museu Victor Meirelles

de 2 a 4 de maio e de 7 a 11 de maio de 2012, às 18h30min

O ano de 2012 é o Ano de Portugal no Brasil e o Ano do Brasil em Portugal.  A agenda da programação, que está sendo ainda finalizada, busca promover e difundir as realizações no campo das manifestações artísticas e culturais entre os dois países, além dos promover o intercâmbio comum nas áreas científica, tecnológica e econômica.

A programação oficial do evento terá início em 7 de setembro de 2012 – Dia da Independência do Brasil – e termina em 10 de junho de 2013 – Dia de Portugal.  Mas o Museu Victor Meirelles, com o apoio do Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis e o Cineclube Nossa Senhora do Desterro se anteciparam a estas comemorações e programaram para o início de maio um Ciclo de Cinema Português, com filmes que vão de 1942 a 2009, dando um primeiro pontapé nas comemorações do Ano de Portugal no Brasil. Vale lembrar que em 2009 houve o Ano da França e, em 2010 foi celebrado o Ano da Itália.

O cinema português fala a mesma língua que a nossa, mas é pouco visto no Brasil, inclusive nas salas alternativas. Fala-se de Manoel de Oliveira, com 102 anos e em atividade, e só. Seu nome, mundialmente, aparece como o mais representativo do cinema português.

Neste ciclo, que é dedicado ao cinema português, começamos pelo próprio Oliveira, que em 11 de dezembro de 2011 completou 103 anos. Serão apresentados dois filmes seus do início de carreira: Aniki Bobó, de 1942, um filme sobre crianças, seus jogos, suas brincadeiras, suas disputas e suas atrações amorosas e, a seguir, o documentário Douro Faina Fluvial, a azáfama da zona ribeirinha do Porto, ilustrada como personagem principal o Rio d’Ouro.

A segunda sessão é de um diretor desconhecido dos brasileiros, Manuel Guimarães, autor de uma respeitada obra cinematográfica. Saltimbancos, de 1951, conta o mundo do circo e o neorealismo dos anos 1950 em preto & branco. Também de Guimarães, como complemento da sessão, será exibido o curta-metragem O Desterrado, sobre a vida do escultor Soares dos Reis.

Teremos ainda, seguindo a cronologia da mostra, o filme Veredas, de 1977, realizado pelo diretor João César Monteiro, que é um percurso poético ao coração de Portugal na sua longa história de oito séculos. Já o encontro entre os geniais Fernando Pessoa e Mário Sá-Carneiro resultou na obra de João Botelho, Conversa Acabada.

O Leopardo de Ouro, no Festival de Locarno, para O Bobo, de 1987, de José Álvaro Morais, com textos de Alexandre Herculano, representou um momento mágico do cinema português. Também de J. A. Morais, exibiremos o documentário sobre um casal de artistas – Ma Femme Chamada Bicho.

De César Monteiro será exibido o premiado Recordações Da Casa Amarela – Leão de Prata em Veneza – primeiro filme da trilogia de João de Deus. Do romance de Agustina Bessa-Luis, a maior romancista viva de Portugal, João Botelho levou para o cinema um projeto que a morte impediu o diretor de O Bobo realizar: A Corte Do Norte, uma história real de uma artista portuguesa do final do séc. XIX, que abandonou a carreira para se casar e viver na Ilha da Madeira, convivendo lá, no inverno de 1860/61 com Sissi, a Imperatriz da Áustria, numa disputa feroz.

Por fim, encerrando a mostra, o grande êxito do Festival de Cannes 2009, o controvertido mundo da travesti lisboeta Tonia, inspirada na atriz brasileira Tônia Carrero, filme de excelente qualidade: Morrer Como Um Homem, de João Pedro Rodrigues.

O Ciclo de Cinema Português é uma realização do Museu Victor Meirelles, em parceria com o Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis – Funcine e o Museu da Escola Catarinense. A curadoria é de Gilberto Gerlach, do Cineclube Nossa Senhora do Desterro, que inclusive estará presente na abertura, no dia 2 de maio, às 18h30, e conversará com o público sobre o cinema português e os filmes da mostra.

Por motivo de ainda não podermos contar com uma Sala de Cinema no Museu Victor Meirelles, as sessões do Ciclo acontecem sempre às 18h30min no auditório do Museu da Escola Catarinense, na Rua Saldanha Marinho, nº 196, Centro. A entrada é gratuita.

Programação: 

Dia 2 de maio, quarta-feira
1942: ANIKI BOBÓ – Manuel de Oliveira (84’) – Som original / Sem legendas
Complemento: Douro Faina Fluvial – Som original / Sem legendas

Dia 3 de maio, quinta-feira
1951: SALTIMBANCOS – Manuel Guimarães (92’) – Legendado
Complemento: O Desterrado – Legendado

Dia 4 de maio, sexta-feira
1977: VEREDAS – João César Monteiro (116’) – Legendado

Dia 7 de maio, segunda-feira
1981: CONVERSA ACABADA – João Botelho (103’) – Legendado

Dia 8 de maio, terça-feira
1987: O BOBO – José Alvaro Morais (123’) – Som original / Sem legendas
Complemento: Ma Femme chamada Bicho – Legendado

Dia 9 de maio, quarta-feira
1989: RECORDAÇÕES DA CASA AMARELA – J.C. Monteiro (120’) – Legendado

Dia 10 de maio, quinta-feira
2008: A CORTE DO NORTE – João Botelho (120’) – Som original / Sem legendas

Dia 11 de maio, sexta-feira
2009: MORRER COMO UM HOMEM – J.P. Rodrigues (128’) – Som original / Sem legendas

Observação: a projeção dos filmes será feita a partir da reprodução de DVDs.

Deixe seu comentário

COMENTÁRIO
  1. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days