Grupo Lunáticos: Porque os peixes que habitam os recifes de corais possuem cores tão exuberantes?

Fascinating Universe https://en.wikipedia.org/wiki/File:Underwater_World.jpg

Fascinating Universe https://en.wikipedia.org/wiki/File:Underwater_World.jpg

O Museu Victor Meirelles recebe na próxima terça-feira, dia 7 de julho, às 19 horas, o grupo Lunáticos para uma reunião aberta ao público. O tema do encontro será os peixes coloridos que habitam os corais. Na verdade o título escolhido começa com uma pergunta: Porque os peixes que habitam os recifes de corais possuem cores tão exuberantes?

As reuniões do Lunáticos funcionam como palestras, onde um apresentador faz a exposição do tema, só que, ao final, a palavra é aberta ao público. O expositor-palestrante da noite será um dos fundadores do grupo, Wladimir J. Alonso, doutor em biologia pela Universidade de Oxford, na Inglaterra. Wladimir é pesquisador e consultor científico, atuando no momento na área de epidemiologia.

O Lunáticos se autodenomina um grupo de debates científicos, em cujos encontros são discutidos temas variados ligados às ciências, mas com um viés eclético capaz de abordar ocorrências no campo das artes, da astronomia, d filosofia e da computação, entre outras. Foi criado em março de 2014 e hoje conta com cerca de 40 componentes. Os últimos encontros tiveram como tema evolução da inteligência, biologia sintética, evolução biológica do altruísmo, teorias astrofísicas sobre a origem do universo e bases científicas do filme Interestelar.

Por que será que os peixes que habitam os recifes de corais, justamente onde a água é tão transparente e a luminosidade excelente, possuem cores tão exuberantes, ao invés de se camuflarem de possíveis predadores? Por que araras e beija-flores também não têm padrões e cores de camuflagem, como tantas outras aves? Estas são perguntas para as quais, surpreendentemente, a ciência admite não ter ainda respostas. No entanto, o biólogo Wladimir J. Alonso acredita ter resolvido este mistério e, ao abordar o tema, compartilhará a sua teoria com o público nesta reunião que acontece no Museu Victor Meirelles. Sua teoria sobre os corais está sendo inclusive publicada brevemente em revista internacional.

Seguindo a tradição das sociedades científicas do passado, quando a ciência era realmente movida pela curiosidade e pelas inquietudes intelectuais, o grupo foi fundado com inspiração na Sociedade Lunar, uma espécie de confraria criada na cidade de Birmingham, na Inglaterra. O então clube de discussão e sociedade científica informal era composto por importantes industrialistas, filósofos naturais e intelectuais que se reuniam regularmente naquela cidade inglesa, entre os anos de 1765 e 1813. Inicialmente o nome do clube era Círculo Lunar até que, em 1775, adotou-se o nome de Sociedade Lunar devido ao fato de seus membros reunirem-se somente nos períodos de lua cheia, quando a maior luminosidade tornava o regresso para casa mais fácil e seguro na ausência de iluminação pública.

Assim como na versão inglesa, as reuniões do Lunáticos também acontecem uma vez por mês. Esta, inclusive, programada para o Museu Victor Meirelles, não fugirá à tradição. Aliás, um componente cabalístico envolve justamente esta sessão. É que o encontro foi agendado curiosamente para o dia 7 do 7, às 7 da noite, no último dia da lua cheia.

O evento é uma atividade do projeto Agenda Cultural do Museu Victor Meirelles. O local é a sala multiuso do Museu Victor Meirelles, no terceiro andar do prédio anexo. A entrada é gratuita.


Fotos da palestra:


Palestra do Grupo Lunáticos
Tema: Porque os peixes que habitam os recifes de corais possuem cores tão exuberantes?
Dia 7 de julho de 2015, às 19 horas
Museu Victor Meirelles
Rua Victor Meirelles, 59 – Centro – Florianópolis/SC
Tel.:  3222-0692
Entrada Gratuita

Deixe seu comentário

COMENTÁRIO
  1. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days