Maciej Antoni Babinski – “Desenhos, Gravuras e Aquarelas”

Dando continuidade ao trabalho que um Museu deve desempenhar numa sociedade moderna, o Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro-RJ, tendo em vista o seu papel de educador e propagador de conhecimento, traz ao público, em conjunto com o Museu Victor Meirelles, Florianópolis-SC, mais uma exposição de obras de seu riquíssimo acervo.

A importância maior desta exposição é exibir o expressivo conjunto de trabalhos de Maciej Antoni Babinski, pertencentes ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes. São desenhos, gravuras e aquarelas feitas entre 1956 a 1964, que representam a sua primeira fase no Brasil, quando o artista residia no Rio.

maciej antoni babinski 2Nascido em Varsóvia, Polônia, em abril de 1931, Babinski, naturalizado brasileiro, chegou ao Brasil em 1953, passando antes pela França, Inglaterra e Canadá. Morou durante dez anos, aproximadamente, no Rio de Janeiro, onde conheceu e trabalhou com Osvaldo Goeldi (1895 – 1961). Mais tarde foi para São Paulo e Minas Gerais. Neste estado, foi professor de artes plásticas da Universidade Federal de Uberlândia. No início da década de 90, transferiu-se para o nordeste, onde encontra-se até hoje. Fez inúmeras exposições individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Atualmente, realiza um trabalho bem diferente do que estamos exibindo. Hoje, Babinski possui uma preocupação em retratar a natureza, a paisagem. Considera-se um pintor, embora não tenha abandonado o desenho e a gravura. Para ele “a pintura é um problema vital (…), é vital, como expressão”.

É importante ressaltar no conjunto de trabalhos de Babinski, a influência da figura, na composição de suas obras. Em diversos desenhos e gravuras, expostos, notamos nitidamente sua preocupação com a figura humana, seja através de traços ou através da cor.

O saudoso crítico de arte Marc Berkowitz dizia “ A tradição européia, o sangue eslavo, a vivência americana, e muito particularmente a brasileira, são constantes na obra de Babinski (…). é um artista que sentiu a problemática dos Goyas, dos Delacroix, dos Kubin e aqui de Goeldi e dos Grassmann”. Creio que essas palavras definem, com propriedade, a obra de Babinski.

Visitações:

Exposição aberta de 30 de outubro a 15 de dezembro  de 1996.

Horários:

Aberto de terça a sexta-feira, das 10h às 18h.
Sábados das 10h às 14h.

Informações:

(48) 3222-0692
museuvictormeirelles.museus.gov.br
mvm@museus.gov.br

 

Deixe seu comentário

COMENTÁRIO
  1. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days