Ruy Kronbauer – “Camadas de Tempo”

Sem Título, Ruy Kronbauer, 1999, Florianópolis/SC,Técnica mista (colagem com papéis diversos), 59,5 x 83,7 cm

Sem Título, Ruy Kronbauer

O fascínio pelo experimentalismo que os artistas do nosso século instauraram nas artes plásticas (e em especial pelos processos da collage, frottage, assemblage, da inserção dos “objects trouvés”) tornou-se uma das pedras basilares nos caminhos percorridos por Ruy Kronbauer através da pintura e do desenho.

Agregar, sobrepor, colar, raspar, romper regras da pintura bem comportada, inventar e reinventar bem como estar pronto para integrar o acaso na obra, esta é uma dinâmica tão fundamental para o processo artístico de Ruy, quanto o é para a sua existência.

Desde suas primeiras exposições, encontramos esta necessidade em fugir obstinada do discurso tradicional, em transformar o suporte da tela, da madeira, da lona ou do papelão em campo de ação  em que é pertinente, um olhar ora mergulhado no interior, deixando fluir energias, ora atento ao exterior, resgatando a possível beleza dos objetos descartados, fragmentados, rotos pelo uso e pelo tempo, inserindo-os na obra e impondo-lhes uma nova estética e um novo significado.

Para tanto, foi preciso resolver as contradições oriundas da junção da variedade de materiais e, em contato com a massa de tinta, mais o gestualismo nervoso, quase caligráfico, como uma linha a costurar os planos da tela, disciplinando-os e criando uma linguagem plástica em que a emoção mantém-se em equilíbrio com a solução estrutural nascida da articulação de contrastes.

Finalmente, nos trabalhos que compõem a presente mostra, Ruy insere, além das imagens provindas de um repertório de referências culturais ( em especial da própria Historia da Arte ), em forma de xerox colado, outros elementos significativos como chaves, evocações de portas, etc..( imagens que enfatizam a existência de uma realidade por detrás da simples aparência das coisas).

Assim, não se trata de ordenar tão somente os elementos expressivos formais, mas também de articulá-los positivamente com uma simbologia que, mesmo quando nos remete a uma individualidade criadora particular, comporta indagações que em ultima essência, são inerentes a própria humanidade. Afinal, os sonhos e o delírios dos outros também nos pertencem.

 Jandira Lorenz,
artista plástica, prof. de desenho artístico e história da arte.
Ilha, abril de 1999

 

Visitações:

Exposição aberta de 28 de abril a 13 de junho de 1999.

Horários:

Aberto de terça a sexta-feira, das 10h às 18h.
Sábados das 10h às 14h.

Informações:

(48) 3222-0692
museuvictormeirelles.museus.gov.br
mvm@museus.gov.br

Deixe seu comentário

COMENTÁRIO
  1. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days