MVM lança a edição 2019 da Revista Eletrônica Ventilando Acervos

01 Capa

A Revista Eletrônica Ventilando Acervos, publicação idealizada pelo Grupo de Estudos Política de Acervos, está com novo número disponível para download gratuito, por meio do site http://ventilandoacervos.museus.gov.br/. Trata-se do volume 7, nº 2, de Dezembro de 2019, que reúne nove trabalhos, totalizando 16 autoras e autores que contribuíram com suas experiências em museus ou com suas pesquisas acadêmicas sobre coleções.

Os textos abordam atividades realizadas com uma vasta amostra de bens culturais, como coleções oriundas de exposições universitárias, ex-líbris, fotografias, louça, acervos jurídicos e arquivos pessoais, a partir de perspectivas sobre o colecionismo, sobre exposições, sobre uso de mídias sociais e sobre processos de documentação.

A partir desta edição, foram convidados os profissionais e pesquisadores Cecília de Oliveira Ewbank e Saulo Moreno Rocha para integrar em caráter permanente o Conselho Consultivo. Também contribuíram como pareceristas as museólogas Gabriela Machado Alevato e Ingrid Ribeiro Nascimento Cardoso.

ARTIGOS – O primeiro artigo, “Gestão de coleções universitárias da UFRGS: propostas de gestão de acervos de caráter museológico em rede”, trabalho conjunto dos pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Ana Carolina Gelmini de Faria, Ana Celina Figueira da Silva e Elias Palminor Machado, propõe apresentar e refletir sobre as primeiras etapas do desenvolvimento de dois projetos de extensão vinculados à graduação em Museologia, ambos com enfoque em gestão de acervo universitário.

Já o artigo “Ex-Líbris: a economia patrimonial”, escrito pelos membros do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural Universidade Federal de Pelotas – UFPel Márcia Della Flora Cortes, José Paulo Siefert Brahm, Diego Lemos Ribeiro, João Fernando Igansi Nunes e Juliane Conceição Primon Serres, tem como objetivo compreender a economia patrimonial do colecionismo de ex-líbris, os valores, as políticas de trocas e as motivações envolvidas, tendo como aporte teórico discussões de conceitos de memória de Halbwachs (1990) e Candau (2014).

Por sua vez, “Cultura material e visual: fotografia Escrava de Martin Gestum de Coleção Eva Schmid”, da Bacharel em Design Visual pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Clara Eloisa da Fontoura Ungaretti, parte da representação visual, por meio de uma fotografia produzida pelo estúdio fotográfico Balduin Röhrig em Porto Alegre, em 1860, denominada Escrava de Martin Gestum. O retrato integra coleção que pertenceu à alemã Dra. Eva M. J. Diehl-Bastide Schmid e foi doada por ela para o Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo.

O quarto artigo da Revista é “Recompondo fragmentos materiais e socioculturais: o pedaço de louça de faiança fina do Museu Joaquim José Felizardo”, da Discente do curso de Museologia da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (Fabico) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Daniela Mei Lipp Nissinen. O texto analisa o objeto como meio de interação e compreensão das relações socioculturais e suas distintas dimensões e interações tangíveis e intangíveis. A dinâmica da materialidade que se prolonga na história é estudada a partir da análise intrínseca e extrínseca de um fragmento de louça de faiança fina do Museu Joaquim José Felizardo em Porto Alegre/RS.

RELATOS DE EXPERIÊNCIA – O relato de experiência “Museu Paranaense: a comunicação e o uso da interface social pela perspectiva de um museu histórico”, da Especialista em História da Arte Moderna e Contemporânea pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (UNESPAR – EMBAP), Ellen Cunha do Nascimento, analisa a comunicação e marketing institucional do Museu Paranaense (Curitiba-PR) por meio das mídias sociais, a fim de demonstrar a importância de sua utilização nas divulgações de ações e eventos.

O segundo relato, “A preservação de acervos jurídicos: catalogação e organização de processos judiciais na Comarca Estadual de Cáceres-MT (2016-2018)”, de Alécio Gonçalves da Silva, graduado em Licenciatura Plena em História pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), provém da experiência obtida no trabalho de bolsista no projeto de recíproco acordo entre a Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), por meio do Departamento de História e do Núcleo de Documentação Histórica Escrita e Oral (Nudheo) e o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), de catalogação, organização e preservação do acervo judicial do Fórum da Comarca de Cáceres.

O próximo relato, “O Museu Histórico La Salle e o Fundo Memória do Cinema Antonio Jesus Pfeil: elaboração de instrumentos de pesquisa para acervos históricos”, de Yuan Veiga Pereira e Cleusa Maria Gomes Graebin, pesquisadores da Universidade La Salle, RS, busca apresentar trabalho de documentação realizado com o Fundo Memória do Cinema Antonio Jesus Pfeil, custodiado pelo Museu Histórico La Salle-MAHLS, da Universidade La Salle.

Por fim, “O GT Culturas Negras no Paraná: A construção de uma exposição no Museu Paranaense”, de Tatiana Takatuzi, Coordenadora do Setor de História do Museu Paranaense desde 2011, aborda a experiência com o Grupo de Trabalho Culturas Negras no Paraná, organizado pelo Museu Paranaense em 2015, quando estava prestes a comemorar 140 anos de existência, com o objetivo de analisar e ressignificar a sua função social e educativa.

RESENHA - A última contribuição para a Revista Eletrônica Ventilando Acervos de 2019 é a resenha “Objetos revelam a história do Rio de Janeiro”, de Vera Lúcia de Azevedo Siqueira, museóloga (Unirio) e mestre em Educação (UnB). O tema é a publicação “História do Rio de Janeiro em 45 Objetos”, inspirada no livro “A história do mundo em 100 objetos”, de Neil MacGregor, diretor do Museu Britânico. O projeto, iniciado em 2015, narra aspectos da história do Rio de Janeiro por meio de peças abrigadas em museus e outras instituições culturais da metrópole, todas acessíveis ao grande público.

Saiba Mais

 A Revista

A Revista Eletrônica Ventilando Acervos – ISSN 2318.6062, com periodicidade anual, é organizada pelo Grupo de Estudos Política de Acervos, publicada pelo Museu Victor Meirelles (Ibram) e conta com o apoio da Associação de Amigos do Museu Victor Meirelles (AAMVM). É dedicada a reunir e socializar práticas e conhecimentos acerca da gestão de acervos em museus.

A publicação busca reunir um arcabouço teórico para auxiliar os museus a elaborar suas Políticas de Acervos, documento que estabelece diretrizes gerais para a conceituação e o gerenciamento de acervos por meio da definição de processos e procedimentos técnicos concernentes à aquisição, à documentação, à gestão e ao descarte das coleções, e também divulgar experiências de museus que já elaboraram suas Políticas de Acervos, trocando práticas e exemplos de referência para reflexão sobre as atividades realizadas, os profissionais envolvidos, as dificuldades encontradas e os caminhos escolhidos.

O Grupo de Estudos

O Grupo de Estudos Política de Acervos foi iniciado em novembro de 2011 pela equipe do Museu Victor Meirelles para cumprir a necessidade de estabelecimento de sua Política de Aquisições e Descartes de Bens Musealizados. Tem como objetivos levantar fontes de estudos sobre o tema e trocar conhecimentos e experiências quanto à aquisição, gestão e descarte de acervos em museus.

Confira as normas de publicação, a edição atual e as anteriores e saiba mais em http://ventilandoacervos.museus.gov.br/

Publicado em